Segunda-feira, 21 de Julho de 2008

Revelações

O Menino Moreno

 

Era uma vez uma casa de madeira, que estava voltada para o mar. Tinha uma porta, cinco janelas e uma varanda muito grande. À volta da casa estava um grande quintal, onde estavam semeadas lindas flores brancas, amarelas e vermelhas.

Nessa casa, morava um rapazito que gostava de brincar com o seu cão na praia. Era uma praia muito bonita, com rochas de todas as cores, em que cada uma tinha o seu próprio desenho! Havia vezes que o mar se revoltava, parecia uma guerra. Também havia à noite grandes ruídos feitos pelo mar, as janelas batiam com tanta força que pareciam que se iam partir.

            Nas manhãs seguintes, estava tudo muito calmo e sereno, parecia que tudo não passava de um sonho. Então, o rapazito foi brincar para as poças de água, onde ele podia dar um banhito. E deitou-se em cima de uma rocha muito grande. Enquanto ele estava deitado, aconteceu uma coisa estranha. Ouviu umas vozes diferentes. Muito devagarinho para não fazer barulho, o menino espreitou e viu um caranguejo, um polvo, uma raia pequena e uma coisa inacreditável: um menino moreno muito pequenino quase do tamanho de uma caneta. Na altura em que o menino moreno, o polvo, o caranguejo e a raia se iam embora, o rapazito deu um salto e os quatro amigos assustaram-se e fugiram. Ele disse que não lhes queria fazer mal, os quatro olharam-no e foram ter com ele. Os cinco ficaram a falar muito tempo até que a maré começou a encher. Despediram-se e foram-se embora.

            No outro dia encontraram-se e os polvos, que eram criados do rei dos mares, viram e foram

contar. Quando eles se foram embora estes levaram o menino moreno para falar com o rei dos mares.

No dia seguinte, os três amigos foram contar ao rapazito o que se tinha passado e o rapazito perguntou a si próprio «o que e que ele podia fazer»? Então o caranguejo pegou num frasco e entregou-o ao rapazito. Este perguntou-lhe o que era. Mas o caranguejo não respondeu, só disse para bebê-lo. Ele bebeu o líquido e o caranguejo puxou-o, ele entrou na água e reparou que conseguia respirar dentro dela. O caranguejo disse-lhe que iam ter com o menino moreno. Quando lá chegaram viram-no a dançar. O rapazito começou a dançar, o rei-do-mar deixou o menino ir embora e eles continuaram a encontrar-se como antes.   

 

Pedro, 8º C

 

 

publicado por Fernanda Maia às 12:21
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Boas Férias!

. Revelações ... Crescer

. A jovem escritora Isa Me...

. Dia da Criança na EB 1 de...

. "Gato, gatão - poeta de p...

. Poesia na EB 1 de Escanch...

. Revelações ... Cada pétal...

. Revelações ... 2º A da EB...

. « A ambição cerra o coraç...

. Brasão da Freguesia de A...

.arquivos

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

.links

blogs SAPO